O Implante de Anel de Ferrara™ retarda ou elimina a necessidade de transplante da córnea.

O Anel de Ferrara™, é uma técnica ortopédica que corrige a curvatura corneana alterada pelo CERATOCONE e devolve a qualidade de vida ao paciente através do fortalecimento da córnea, diminuindo a miopia e o astigmatismo, melhorando o conforto e a visão. Não apresenta rejeição e é uma cirurgia rápida e indolor, permitindo assim uma recuperação rápida e a volta do paciente ás atividades normais em pouco tempo.

O ANEL DE FERRARA™ foi inventado pelo Dr. Paulo Ferrara, sua patente foi depositada em 1987 e expedida em 1993, carta patente nº PI 8705060. Entre 1987 e 1993 as pesquisas se desenvolveram

  • Em 1991 o primeiro paciente foi implantado com um segmento de 360º
  • Em 1994 o Dr. Paulo Ferrara , criou os instrumentais cirúrgicos e a técnica de tunelização para implante do Anel de Ferrara™, carta patente PI 9305251
  • Em 1996 os segmentos passaram a ser utilizados para o tratamento de paciente portador de ceratocone.
  • Em 1998 foi realizado o I curso de implantes de segmentos intra corneanos para a correção do Ceratocone.
  • Os primeiros instrumentais foram produzidos por joalheiros, em ouro, e atualmente estão expostos no Museu da Oftalmologia na Sociedade Brasileira de Oftalmologia, SBO.

Desde 1996 o Anel de Ferrara™ vem sendo utilizado para correção do ceratocone.

Seu nomograma ou, forma de utilização, vem sendo constantemente atualizado, hoje se encontra na quinta geração e leva em conta a asfericidade, a ceratometria, o astigmatismo e o padrão do mapa de elevação posterior no exame de tomografia corneana do paciente. (Pentcam, Galilei ou Orbscam)

Estes parâmetros, junto à experiência do médico oftalmologista, auxiliam na definição da posição, profundidade, número de segmentos, tamanho de arco e espessura para cada caso.

Em 1998 o Dr. Paulo Ferrara realizou, em Belo Horizonte, o primeiro curso de implantes de segmentos intra corneanos (ICRS) para correção do ceratocone, atualmente este procedimento é realizado em 87 países e estima-se que mais de 600 mil olhos já tenham sido operados.